5.1.11

Barcerias

Aos amigos do Zé Feio e da Cantina (bares que não existem mais, pouco importa, pois quem escreveu o poema também já não bebe).


Uns vão à missa,
                                   nós ao bar.
                                   Eles comem hóstia,
                                   nós torresmo.
                       
                                                           Pai nosso que estais no céu...
                                                           Bar nosso dai-nos a paz!

                                   Uns vão malhar,
                                   nós ao bar.
                                   Eles correm os pés,
                                   nós os olhos.

                                                           Um, dois, três, quatro...
                                                           Uma, duas, a terceira, a quarta!

                                   Eles passando ao nosso lado,
                                   nome do pai, corrida acelerada:
                                   "nossos filhos não serão vossos,
                                   nossas filhas não serão vossas,
                                   não".
                                   Nós coração de galinha,
                                   cerveja, cana pura,


                                   inchaço do fígado:
                                   "vossos filhos já são nossos,
                                   huuuuuum!".

                                   Uns voltam ao lar,
                                   nós ao bar.
                                   Eles assistem televisão,
                                   nós, aos sonhos.

                                                           Será que acabam juntos?...
                                                           Beijos, purrinha.

                                   Uns voltam à mesmice,
                                   nós ao bar.
                                   Eles ao mesmo de ontem,
                                   nós ao mesmo de amanhã (?).

                                                           Despertador, ovos cozidos,
                                                           Talvez, talvez...

                                   Viva! gritam quando presos somos.
                                   O delegado nos forçando a ressaca que não temos.
                                   Viva! na cela há sempre uma birita.
                                   Canções aflitas pra se cantar nós temos.

                                   Uns vão tratar-se,
                                   nós ao bar.
                                   Eles eternos,
                                   nós efêmeros.

                                   Uns vão matar-se,
                                   nós ao bar.
                                   Eles infelizes,
                                   nós lá, lá, lá, lá.



(publicado no Suplemento literário de Minas Gerais, em 19/03/1988. Fac-símile abaixo)


Postar um comentário