3.10.14

A conjuntura do ponto de vista de um desencantado ainda esperançoso

O mendigo, dono de uma nova carência, bate à porta da casa e pede um copo d’água, “da pia mesmo, moça”. A casa – toca contra o frio, despensa com o básico e o supérfluo, colo de alvenaria – responde surpresa: “Água? Logo água?”
Aviões não caem para dentro do céu, puxados pela força do sol, pelo abismo de outros universos. Caem sempre no chão e deixam à mostra seu CNPJ forjado, seu pagamento na moeda não corrente dos favores. E espalha mortos, que a curiosidade retrata e compartilha nas redes sociais.
O jogo sujo é sujo e é jogo não é de hoje. Todavia os meios propiciam que o jogo sujo, na versão século XXI, seja feito em doses alopáticas, nas nossas fuças, sem que possamos dar-lhe as costas. O jogo sujo é o deus-onipresente de todos os matizes.
No Brasil sem fome há um monte de famintos. Assim como no Brasil menos desigual há desigualdades revoltantes.

De macaco não pode. De veado parece que pode. Um coro único vaiar aquele que foi chamado de macaco e cobrou respeito pode. Pode tudo nesse cantinho do mundo no qual floresce uma alma branca e gentil.
Depois de toda a engenharia, fazendo uso de todas as ferramentas e, claro, valendo-se também da sabedoria mais excelsa, o resultado está aí: o aeroporto deve ser (deve?) construído ali, ao lado da fazenda da família do mandatário.
Para que verdade se existe hipocrisia e marketing?
Morre-se mais pelo mundo em torno da droga do que pela droga em si.
Morre-se mais pela clandestinidade do aborto do que pelo aborto em si.
Errar é humano? Onde, amigo? Errar é inadmissível. Ou por outra, só o erro de quem apontou o seu erro é admissível. Ele ou ela são humanos, você não.
Senhor, diga-me com quem andas e direi quem és. Ando com safardanas e escroques. Portanto safardana e escroque tu és. Sendo assim, como a senhora anda com uns um-sete-uns e cinco dedos, um-sete-um e cinco dedos a senhora é. Calma lá, senhor, no meu caso é apenas pragmatismo visando ao bem.
A democracia, com todos os seus tropeços, nos trará um futuro menos sombrio. Espero. Acho que posso esperar.
Postar um comentário